Tratamento de Hérnias

Vamos falar de Hérnias?

As hérnias da parede abdominal são patologias comuns na prática clínica.

O conceito de hérnia é o deslocamento de estruturas do organismo através de orifícios, sejam eles naturais ou adquiridos, que separam diferentes cavidades e camadas no corpo, como tórax, abdômen ou camadas de gordura e músculos. A principal manifestação é a percepção de uma saliência/protuberância, podendo estar associado a dor local ou não.

Os órgãos são mantidos no lugar por estruturas anatômicas chamadas de aponeuroses, músculos, pele e algumas áreas composta por ossos. Quando, por quaisquer motivos, ocorre um enfraquecimento dessas estruturas ou, alargamento dos orifícios naturais que comunicam as diferentes cavidades, há a formação de um “anel” herniário por onde as estruturas que estão dentro da cavidade podem deslizar pelo orifício causando a hérnia.

Essas estruturas herniadas podem ser tecido gorduroso e até mesmo vísceras ( intestinos, estômago e etc).

O corpo também possui alguns hiatos naturais que podem sofrer herniação, como o Hiato Esofageano, que será abordado em tópico específico.

O tamanho do orifício (anel herniário) é muito importante, pois é diretamente proporcional a intensidade dos sintomas, seja pelo tamanho da protuberância que será percebida pelo paciente, como pela sintomatologia de dor. Basicamente teremos maior dor em anéis pequenos e maiores protuberâncias em anéis maiores.

Hérnia Inguinal

As hérnias inguinais são aquelas que ocorrem na região da virilha, e correspondem a 75% de todas as hérnias abdominais. Este tipo de hérnia é 25 vezes mais comum em homens do que em mulheres. São mais comuns em crianças e adultos jovens.

O paciente com hérnia inguinal se queixa de abaulamento nesta região, com dor discreta associada, que piora com o esforço abdominal (tosse, evacuação, exercício, levantar objetos pesados). Ao exame, o médico percebe o abaulamento da região inguinal, que fica mais evidente quando o paciente aumenta a pressão abdominal por solicitação do médico.

Hérnia Femoral

É uma protrusão do conteúdo da cavidade abdominal ou pelve através de um ponto frágil do canal femoral devido a um defeito ou enfraquecimento da parede abdominal. Este tipo de hérnia é mais comum em mulheres do que em homens e carrega uma alta incidência de estrangulamento do conteúdo da hérnia.

Diferente da hernia inguinal a protuberância é percebida na raiz da coxa.

 

Hérnia Umbilical

A hérnia umbilical é causada por um defeito no fechamento da cicatriz umbilical, que pode ser congênito ou adquirido durante a vida. Nas crianças, em geral a hérnia umbilical se fecha até os dois anos, mas caso persista até os cinco anos, será necessário o tratamento cirúrgico. O exame abdominal revela a presença de abaulamento umbilical, principalmente quando o paciente faz força com o abdome.

 

Hérnia Epigástrica

As hérnias epigástricas são as que acometem a linha mediana do abdomen, acima da cicatriz umbilical. Também se caracterizam por abaulamento nessa região abdominal.

 

Hérnia Incisional

As hérnias incisionais ocorrem em locais do abdômen que já foram submetidos a uma incisão cirúrgica, e resultam da cicatrização inadequada dessas incisões. Este tipo de hérnia tem como característica apresentar altos indices de complicações. Os principais fatores que levam ao desenvolvimento de hérnias incisionais são: infecção da ferida cirúrgica, obesidade, tratamento com corticoides e quimioterapia, complicações respiratórias (tosse) no pós-operatório, má nutrição, diabetes, tabagismo e idade avançada.

 

Complicações

As maiores complicações das hérnias abdominais são o encarceramento e o estrangulamento. O encarceramento é a manutenção de partes do conteúdo abdominal no saco herniário, ou seja, fora da cavidade abdominal, sem retorno deste conteúdo para o seu lugar correto. No estrangulamento, além do encarceramento, há o sofrimento do intestino ou de qualquer outra estrutura dentro do saco herniário, devido à compressão dos vasos sanguíneos, com consequente redução ou impedimento à circulação sanguínea.

O estrangulamento é uma urgência e a cirurgia para o tratamento da hérnia deve ser realizada o mais rápido possível, pois a parte do órgão que não recebe sangue e oxigênio eventualmente sofre isquemia e necrose (apodrecimento). Depois a parte afetada se rompe e ocorre a perfuração do intestino, liberando seu conteúdo diretamente na cavidade abdominal, espalhando a flora intestinal em locais sem defesa adequada e a necrose pode espalhar coágulos pelo sangue. Após alguns dias o paciente pode morrer de infecção generalizada (septicemia).

 

Tratamento

O tratamento das hernias abdominais é cirúrgico e deve ser individualizado.

Diversas técnicas cirúrgicas vêm sendo propostas e empregadas nas últimas décadas.

Entretanto quando a utilização de telas (malhas) sintéticas, ou seja, uma prótese proposto por Lichtenstein, foi incorporada ao tratamento os resultados melhoraram de maneira siginificativa.

Hoje com a evolução dos materiais sintéticos utilizados no tratamento das hérnias e até mesmo o aparecimento de telas biológicas proporcionaram melhores resultados e com melhor recuperação pós-operatória para o paciente, pois diminuiram drasticamente o aparecimento de recidiva das hernias.

O tratamento das hérnias pode, ainda, serem tratadas de maneira minimamente invasivas, por laparoscopia, proporcionada pela incorporação de telas mais modernas, materiais e endogrampeadores, específicos para o tratamento das hérnias, com excelentes resultados e o mais importante, menor tempo de internação hospitalar, maior rapidez no retorno ao trabalho e as atividades físicas.

 Hernia